Jornal Chūnichi, junho de 2002

Tradução da reportagem sobre o monge Mokugen-san no jornal japonês Chūnichi, junho de 2002:

 

O coração do Zen ao Brasil


"Entendi bem a amabilidade do povo japonês". O monge brasileiro José da Costa Sobrinho, com o objetivo de construir um templo em sua terra natal, continua sua prática de mendicância na estação de Kanayama, na cidade de Nagoya. Ele tem 50 anos, mora em Chitashi, e com 11 anos de treinamento realizado pretende em setembro retornar ao seu país. Escreveu carta ao jornal Chūnichi desejando expressar sua profunda gratidão ao povo japonês. José era dentista em sua terra natal, e se deparou com várias crises existenciais em sua vida. Um amigo o sugeriu entrar para a escola Sōtō Zen. Em agosto de 1991, sozinho, desembarcou no Japão e realizou treinamento em Nagoya, e em Eihei-ji que fica na província de Fukui. Já até recebeu qualificação na sua carreira de monge. Ordenado monge pela escola Sōtō Zen, recebeu o nome de Kōhō Mokugen.


A Prática da mendicância visando construir um templo em sua terra natal


José aprendeu dentre os ensinamentos do budismo, com o treinamento no Japão, por exemplo, que é possível sentir "o mundo do vazio". Ele sente um encanto especial pela meditação (Zazen) e "almeja divulgar a meditação Zen em sua terra natal". Decidiu, então, realizar isto ao regressar ao Brasil. Com o sonho de construir um templo com uma sala de meditação, desde novembro do ano passado, todos os dias, está ele de pé com a prática do takuhatsu na estação de Kanayama.


José: "Lágrimas ao sentir a amabilidade do povo japonês"


"Os japoneses são muito amáveis, recebo muitas doações em dinheiro e só me resta gratidão", disse ele.

Atualmente mora em Chitashi, no templo Daishōin, onde recebe doação de verduras dos vizinhos e também já apareceu uma pessoa que vai esculpir uma estátua de Buda para o templo no Brasil. "Quero expressar meus agradecimentos por tudo isso", assim escreveu em sua carta.

Na carta diz "Fiz a mendicância com alegria, compreendi a amabilidade dos japoneses, derramei lágrimas de emoção, muito obrigado", assim concluiu. "Ainda falta capital para a construção do templo e vou continuar com a prática do takuhatsu", disse Mokugen.

Calendário das cerimônias - 2017

As cerimônias tem previsão de começo logo após o zazem das 19h:

  • 29 de janeiro: Gōtan-e Kōso Jōyō Daishi - Cerimônia em memória do nascimento do Mestre Dōgen.
  • 12 de fevereiro: Butsu Nehan-e – Cerimônia em memória da Entrada do Budha no Nirvana.
  • 19 de março: Aki Higan-e - Cerimônia de Equinócio de outono.
  • 14 de maio: Vesak – Cerimônia de Nascimento, Iluminação e Paranirvana do Budha.
  • 24 de setembro: Haru Higan-e - Cerimônia de equinócio de primavera.
  • 01 de outubro: Kōso Jōyō Daishi Goshōtō - Cerimônia em memória da entrada no nirvana do Mestre Dōgen.
  • 08 de outubro:   Daruma ki - Cerimônia em memória do Mestre Bodhidharma.
  • 05 de novembro: Obon-e - Cerimônia de finados.
  • 26 de novembro: Kaisanki - Cerimônia em memória do fundador do Templo (Manzan Dōyū Daioshō).
  • 10 de dezembro: shousan + Jōdō-e – Cerimonial de Perguntas e respostas + Cerimônia em memória da Iluminação do Budha.
  • 31 de dezembro: Ōmisoka Joyanokane - Cerimônia de Virada do Ano Novo (por volta de meia-noite). Anualmente, todos saõ bem vindos a partir das 21 horas, quando comemoramos com uma festa de congratulações – oportunidade em que, em frente ao Budha, agradecemos pelo ano que passou e rogamos por um próspero ano novo.
  • Todo primeiro domingo de cada mês, após o Zazen-kai - Cerimônia de Reverência e Agradecimento aos Budhas.
  • Todo terceiro domingo de cada mês, após o Zazen-kai - Cerimônia de Arrependimento.